Devocional #08 - O Fruto do Espírito: Fidelidade

"Mas o fruto do Espírito é [...] fidelidade..." – Gálatas 5:22


Leia também:

Salmo 15; Mateus 5:34-37


Medite:

Embora algumas versões bíblicas apresentem a sétima virtude do Fruto do Espírito como “fé”, não se trata da fé para a salvação gerada pelo Espírito Santo no coração humano, ou ainda da fé como dom de Deus para operar milagres.

Em contraste à lista de obras da carne: dissensões e facções, está a fidelidade. A disposição gerada pelo Espírito Santo no coração humano auxiliando-o a se manter fiel aos votos, compromissos e alianças.

Tal fidelidade leva o cristão a permanecer firme em seus votos mesmo sob prejuízo próprio, a cumprir suas promessas mesmo quando as circunstâncias se tornam desfavoráveis e a manter suas alianças mesmo quando não há mais vantagem alguma nisto.

O fundamento da fidelidade do cristão está em sua compreensão de que tudo o que diz é dito diante de Deus e tudo o que faz é feito frente aos olhos dEle, suas promessas não são feitas perante outra testemunha a não ser o próprio Senhor. Escrevendo sobre a orientação de Jesus sobre não jurar registrada em Mateus 5:24, 27, Dietrich Bonhoeffer declara:

“Não há necessidade de o discípulo jurar, pois não existe palavra que não seja dita diante de Deus. Cada palavra sua deve expressar nada mais que a verdade, não necessitando, assim, de confirmação de juramento. O juramento poria sob suspeita todas as outras palavras. Por isso diz-se que o juramento ‘vem do maligno’”.

Deus é a testemunha e o fundamento da fidelidade do cristão, Ele não muda, não volta atrás em Suas promessas e não retira Sua palavra, mas permanece fiel.

Da mesma forma, o cristão é chamado por Jesus a trilhar o caminho da fidelidade. Enquanto o mundo é guiado por facções, dissensões e invejas, o discípulo em tudo deve agir em amor e fidelidade, negando a si mesmo em benefício do Reino e do Corpo de Cristo.

Ore conosco:

Pai, rogo-lhe para que me auxilie a permanecer fiel aos meus votos, compromissos e alianças mesmo que para isso tenha que assumir prejuízo. Não desejo envergonhar Teu Santo Nome com promessas vazias e um espírito vacilante. Que em minha fidelidade Tua majestade seja glorificada e Teu Reino manifesto ao mundo. Oro, em nome de teu filho Jesus, amém.


BONHOEFFER, Dietrich. Discipulado. Tradução Murilo Jardelino, Clélia Barqueta. 1 ed. São Paulo: Mundo Cristão, 2016.

Deixe um comentário

Assine o Novas de Cada Manhã

Não perca nenhum conteúdo. Inscreva-se para ter acesso à biblioteca de conteúdos exclusivos para membros.
[email protected]
Inscreva-se