"Que eu viva para poder te louvar, e que teus estatutos me ajudem. Andei sem rumo, como ovelha perdida; vem buscar teu servo, pois não me esqueci de teus mandamentos." – Salmos 119:175,176

Em sua jornada rumo à Pátria o salmista desviou em caminhos estranhos, se perdeu em passagens desconhecidas e se afastou da trilha certa. Na ânsia por viver sua própria vontade ele se depara com a dura realidade longe de Deus, “andei sem rumo”, passou a viver sem propósito e o valor de sua existência desapareceu.

No entanto, ele relembra dos estatutos do Senhor, reconhece que deles provém as palavras da vida eterna e, com o coração quebrantado, eleva sua voz em clamor: “vem buscar teu servo, pois não me esqueci de teus mandamentos”.

Todos estamos sujeitos à queda e, assim como o filho pródigo, corremos o risco de nos enganarmos crendo que na casa do Pai não há alegria o suficiente, que junto dEle não há verdadeiro propósito ou liberdade genuína, deixando-nos levar pelas ilusões do mundo.

O salmista se desviou como uma ovelha perdida, no entanto, seu coração relembrou da Lei do Senhor e sua mente reconheceu que somente nEle há verdadeiro e pleno significado, paz e alegria.

A palavra está ao seu alcance e será seu auxílio. “Que teus estatutos me ajudem”, reconhece e clama o salmista ao inclinar seu coração novamente em direção ao Senhor confiante que nela ele encontrará o caminho de volta aos braços do Pai.

Não permita que o diabo engane sua mente acusando e dizendo que não há mais esperança, que não há mais perdão e que o Pai não lhe receberá novamente em casa. Não há coração que não se comova com o arrependimento sincero de um filho que retorna novamente para o lar.

Que Deus lhe abençoe.