"Cerca-me de tua compaixão, para que eu viva, pois tenho prazer em tua lei" – Salmo 119.77

Consciente de que o amor de Deus lhe está disponível e jamais lhe será negado (v. 76) o salmista então roga para que o Senhor lhe cerque de compaixão, pois somente ela lhe garante a vida.

Não paramos para refletir acerca da vida e raramente lembramos que se estamos vivos é pela graça e misericórdia divinas. Contudo, o salmista reconhece que sua vida depende da compaixão e misericórdia de Deus.

Se ele está vivo é pela graça que lhe concede o fôlego diário e que mantém seu coração pulsando dentro do peito. Seu clamor não tem outro propósito, ele não roga pela compaixão de Deus com objetivo de viver seus próprios desejos, mas de viver a lei do Senhor, pois nela ele tem prazer.

Da mesma forma, ao reconhecermos nossa pequenez diante da vida e nossa insuficiência diante dos mistérios que mantém tudo em seu devido lugar e que nos garante o fôlego diário, somos constrangidos, assim como o salmista, a clamar pela compaixão e, em resposta à ela, somos chamados para obedecer os preceitos do Senhor e nos satisfazer nEle.

Deus lhe abençoe.