"Clamo a ti; livra-me, para que eu obedeça a teus preceitos" – Salmos 119:146

O salmista eleva seus olhos para além do vale, sua alma anseia pelo auxílio divino e seu coração, oprimido pela perseguição e tribulação, roga pelo livramento do Senhor.

“Olho para os montes e pergunto: ‘De onde me virá socorro?’” (Salmos 121:1), embora cercado por incertezas, insegurança física, econômica e política, o coração do peregrino ainda permanece convicto na soberania divina. Os montes são altos, os gigantes são inúmeros, mas o Senhor, aquele que fez os céus e a terra, está acima de todos (Salmos 121:2).

É a Ele que o salmista se dirige e apresenta seu clamor, é dEle que vem o socorro e é ele que livra seus pés das armadilhas deste século.

Somos tentados a olhar na direção oposta, a nos abalar com a instabilidade de nosso tempo, por vivermos num intervalo mísero de tempo, nossa visão natural não consegue compreender a realidade de que reinos vêm e vão, homens se levantam e caem, economias crescem e desaparecem, mas o Senhor permanece.

Aquele peregrino que, enquanto caminhava pelos vales, olhava para os montes enxergando não as adversidades, mas o Deus Todo-Poderoso que tudo criou, nos inspira a seguir o caminho de fé e confiança no Senhor, Ele é quem nos livra, que ouve nosso clamor e que nos capacita para obedecer a seus mandamentos.

“Busquem o Senhor enquanto podem achá-lo; invoquem-no agora, enquanto ele está perto” (Isaías 55:6) e lembre-se de que “...todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” (Romanos 10:13).

Que Deus lhe abençoe.