"Meus olhos se esforçam para ver tua promessa se cumprir; quando me consolarás?" – Salmo 119.82

Os olhos ressecados pelo clima árido da peregrinação e a vista embaçada pelas angústias da vida ofuscam a visão do salmista e dificultando que ele contemple, com perfeição, a promessa divina. Ela parece longe, distante e, em alguns casos, inexistente.

Entretanto, sua mente não duvida da palavra de Deus, seu coração não se endurece contra Ele, mas em sinceridade e humildade roga ao Senhor por consolo e pela cumprimento da promessa. Longe de ser murmuração ou ingratidão, o clamor do salmista é um grito da alma, um pedido de socorro ao Pai eterno.

Somente em Deus há a resposta e reconhecendo isto o salmista recorre Aquele que pode mudar a circunstância e auxiliar em suas angustias.

Da mesma forma o cristão, em sinceridade, tem ao seu alcance o trono da graça, a atenção de um Deus amoroso que, como um Pai que ouve o choro do filho, atentamente escuta as dores profundas do coração.

Deus lhe abençoe.