“Sustenta-me como prometeste, Senhor, para que eu viva; não permitas que minha esperança seja frustrada. Sustenta-me e serei salvo; então meditarei continuamente em teus decretos” – Salmos 119:116,117

Ciente de sua pequenez frente às adversidades e provações da vida, e da necessidade de auxílio divino para permanecer com os olhos fitos na eternidade, o salmista clama ao Senhor para que não retire sua mão, mas permaneça sustentando sua alma.

O alvo do clamor apresentado pelo salmista ao Senhor não é simplesmente voltado para o anseio de que sua vida seja poupada das adversidades, ou que sua alma seja reconfortada diante das angústias do mundo, mas para que sua esperança permaneça firme e seu coração continue meditando nos preceitos divinos.

Sem o auxílio da parte de Deus seus pés inevitavelmente irão tropeçar e sua esperança, ao ser confrontada com a trágica realidade do mundo, irá desfalecer.

Talvez estejamos vivendo momentos mais angustiantes e desanimadores que o salmista, o horizonte é tenebroso, toda nossa segurança tem sido, sistematicamente, abalada por variáveis que nunca havíamos cogitado.

Entretanto, assim como para o salmista, o segredo para permanecermos de pé e firmes em nossa fé está no auxílio do Senhor, que não apenas nos fortalece na caminhada, mas nos eleva para além das densas nuvens e nos faz enxergar a alegria eterna que nos está reservada.

Não desanime diante das incertezas da vida, mas confie no auxílio do Senhor. Que Deus lhe abençoe.