"Por isso amo teus mandamentos, mais que o ouro, mais que o ouro puro. Cada um de teus mandamentos é reto; por isso, odeio todo caminho falso" – Salmos 119:127,128

A convicção da resposta de Deus ao seu clamor feita no verso anterior, motiva o coração do salmista a amar aos mandamentos eternos. Na mesma medida que sua fé na intervenção divina cresce, seu amor pela Palavra também aumenta.

Comparado com as riquezas contidas nos estatutos eternos, o ouro, a prata ou qualquer unidade monetária, não possuí qualquer valor. Todos os bens se corromperão, mas os mandamentos do Senhor permanecem eternamente, pois provém de um Deus que não muda.

A resposta do salmista à grandiosidade dos mandamentos eternos nos é apresentada no verso seguinte: “... por isso, odeio todo caminho falso”. Ele não apenas se contenta em amar as Escrituras e valorizá-la mais do que os bens terrenos, mas também rejeita todo caminho falso e toda iniquidade.

A fidelidade e perseverança do salmista, mesmo em meio às adversidades, provém de sua convicção no agir sobrenatural de Deus intervindo em sua realidade e na certeza de Seu soberano domínio sobre todas as coisas.

Vivemos em um mundo que se move entorno de ter cada vez mais riquezas, mais reconhecimento, mais poder e, muitas vezes, às custas do que é eterno e do que Deus determina, rejeitam a maior de todas as riquezas que um homem pode ter em mãos: a revelação divina entregue à humanidade.

Somos chamados, assim como o salmista, para não apenas conhecer as Escrituras, mas para viver pelo que ela determina e, como se estivéssemos carregando um lingote de ouro puro, zelar com nossa vida pela sua integridade e honra.

Que Deus lhe abençoe.

Salmos 119.127,128
“Por isso amo teus mandamentos, mais que o ouro, mais que o ouro puro. Cada um de teus mandamentos é reto; por isso, odeio todo caminho falso” – Salmos 119:127,128