"Que louvor transborde de meus lábios, pois tu me ensinas teus decretos. Que minha língua cante sobre tua palavra, pois todos os teus mandamentos são justos." – Salmos 119:171,172

Há pouco o salmista estava prostrado diante de Deus clamando: “dá-me entendimento, como prometeste. Ouve minha oração; livra-me, conforme tua palavra” (v. 169, 170), mas agora, diante da resposta do Senhor seu coração se enche de alegria.

O Senhor atendeu sua petição, ouviu o seu clamor e não apenas lhe concedeu o entendimento da Lei, mas mansamente ensinou ao coração do salmista Seus eternos decretos.

Somos tendenciados a acreditar que o conhecimento da Palavra, o entendimento teórico das Escrituras irá, de alguma forma, esfriar nossa devoção ao Senhor, ou ainda, que a doutrina que conhecemos intelectualmente está desconectada da nossa prática cristã.

No entanto, uma vez que “A doutrina que você abraça fundamenta a maneira que você vive” [1] devemos, assim como o salmista, buscar com zelo a verdade bíblica proveniente do próprio Deus e, com o entendimento permeado pela revelação, teremos condições de exteriorizar uma devoção centrada no Evangelho.

O salmista não clama por entendimento nos versos anteriores a fim de dominar as Escrituras, ter todas as respostas e argumentos para sempre vencer os debates e discussões, ou para estar sempre no controle da circunstância. “A última coisa que Deus quer é que você seja alguém que domina [a circunstância], porque Seu desejo é que você seja dominado por Ele”. O salmista deseja conhecer a verdade do texto sagrado para que, por meio dela, seu coração seja dominado pela Palavra, sua boca se encha do verdadeiro louvor e seu coração transborde em adoração a Deus.

Da mesma maneira eu e você somos chamados para conhecer e aprender do texto bíblico, não com o objetivo de somente adquirir conhecimento, mas com o propósito de glorificar a Deus através dele.

Que Deus lhe abençoe.


[1] BAZZO, Angelo. Doutrina e Devoção [recurso digital]. Monte Mor: Escola Convergência, 2020.