“Odeio pessoas inconstantes, mas amo a tua lei. Tu és meu refúgio e meu escudo; tua palavra é minha esperança” – Salmos 119:113,114

A maior armadilha de nosso século ataca mortalmente o centro da fé. O diabo em sua astúcia conseguiu forjar um mundo que vive sempre anestesiado para a realidade eterna, estão sempre ocupados, correndo de um lado para o outro, exaustos de tantos compromissos e atividades que a morte e a eternidade nem sequer são notados.

E, em certo grau, os fiéis têm sido laçados por este embaraço maligno. Em amor à palavra o salmista expressa sua repulsa aos homens inconstantes, aqueles que começam a caminhada, mas não a concluem, iniciam a vida na fé, mas não se assentam para avaliar os custos dela.

Reconhecendo a raiz do problema, o salmista, ao manter sempre em memória a palavra do Senhor e suas promessas eternas, não permite que a esperança desapareça de seu coração e, uma vez que ele vive por aquilo que ainda virá, seus passos se tornam constantes e firmes.

A inconstância tão odiada pelo salmista só tem um antídoto, um único remédio, a esperança eterna. Em sua astúcia maligna o diabo não precisa mais atacar frontalmente a fé ou levantar céticos ferozes, tudo o que ele precisa é distrair os corações humanos com atividades eternamente inúteis. Viva olhando somente para este mundo e inevitavelmente seu coração irá desanimar e seus pés desfalecer.

Porém, ao olhar para além do horizonte desta vida, por mais fracos que seus pés estejam, eles se firmam na certeza de que em meio ao caos, ao desespero e à desesperança, Deus ainda está no controle e tudo se sujeitará ao Seu Filho quando Ele retornar em glória.

Refugiados neste esconderijo o salmista, eu e você, podemos descansar no Senhor, reanimar nossos corações e continuar a caminhada.

Deus abençoe seu dia.