“Andando à beira do mar da Galileia, Jesus viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André. Eles estavam lançando redes ao mar, pois eram pescadores. E disse Jesus: ‘Sigam-me, e eu os farei pescadores de homens’. No mesmo instante eles deixaram as suas redes e o seguiram” — Mateus 4:18-20
Ouvir Devocional no Spotify

O evangelista Mateus, ao registrar o convite feito por Jesus a dois irmãos para tornarem-se seus discípulos, deixa de lado o evento anterior ao chamado. Naquela manhã o Mestre se coloca na praia para ensinar à multidão e, sendo apertado por ela, decide entrar em um dos barcos que estavam ali ancorados.

Simão, André e, muito provavelmente, João e Tiago estavam limpando as redes após uma longa noite de trabalho. Não haviam pescado nada e, exaustos, se preparavam para retornar ao lar.

Jesus, no entanto, surpreende aqueles homens e Lucas nos registra o grandioso milagre que o Senhor operou. No entanto, por mais maravilhosa que tenha sido aquela pesca, a ponto de rasgar as redes, ela nada era quando colocada em perspectiva com o chamado de Cristo ao discipulado.

Nenhum milagre, nenhuma maravilha e nenhum prodígio é grande ou valioso o suficiente para nos impedir de seguir o chamado de Cristo. Você e eu fomos, assim como aqueles galileus naquela bela manhã no Mar da Galileia, chamados para sermos pescadores de homens, discípulos e discípulas que estão dispostos a abandonar o que for necessário para viver a vida de discipulado e serviço.

Simão precisou deixar as redes, talvez você precise deixar o orgulho, o rancor, as mágoas ou ainda seu senso de “sabe-tudo”. Somente quando deixamos nossas redes e abraçamos, sem reservas, a voz do Mestre somos capazes de nos tornar discípulos frutíferos no Reino.

Deixe a pesca maravilhosa e siga o Mestre.

Que Deus lhe abençoe.

...

P.S.: embora nós estejamos no Tempo Comum do Ano B, os devocionais não irão acompanhar a leitura do Evangelho de Marcos, como normalmente é realizada, em especial nos domingos. Iremos meditar em pontos essenciais do discipulado cristão e das bases de fé não, necessariamente, seguindo a estrutura utilizada pelo Lecionário Comum.